A Região Demarcada do Douro representa duas Denominações de Origem: Porto e Douro.

Num mundo cada vez mais global, somos constantemente confrontados com uma grande diversidade a apelar a todos os sentidos. Para que o nosso produto se distinga, importa apostar numa diferenciação, forte no simbolismo e assente num sinal de prestígio, numa identidade reconhecida por um consumidor que busca referências de valor. A denominação de origem Porto é o bilhete de identidade do vinho do Porto e permite a concretização desse desejo. O nome Porto é símbolo de história e tradição, e de uma Região em transformação, em sintonia com a modernidade.

A denominação de origem Porto e a denominação de origem Douro garantem a tipicidade, a unicidade dos respetivos produtos e a sua origem. A tipicidade evidencia que o produto está intimamente ligado ao território, enquanto a unicidade diz respeito às características específicas que o produto incorpora, a qualidade que o distingue. A unicidade e a tipicidade tornam o produto único e geograficamente vinculado.

Esta unicidade qualitativa, inseparável do seu território, é expressão da exclusividade da origem. Uma identidade que não significa que os produtos com denominação de origem sejam todos iguais – o que está em causa é a sua identificação característica, apesar das inevitáveis ou incontornáveis diferenças. Na Região Demarcada do Douro a diversidade é vasta, com uma enorme variedade de vinhos a integrar as denominações de origem Porto e Douro.

Tipicidade, unicidade e garantia de qualidade, são a imagem do território. É na associação entre o Homem, o seu saber-fazer, a sua herança cultural e a natureza, numa relação complexa, que nos surge um produto com características típicas e únicas. A denominação de origem Porto é um símbolo que se apresenta como o principal indicador da tipicidade de um produto, um instrumento de informação sobre a origem e sobre as características associadas a uma determinada comunidade.

São a unicidade e a tipicidade do produto que ajudam na conquista de uma posição privilegiada no mercado e permitem uma diferenciação no preço, mas o poder apelativo e sugestivo da denominação de origem exige uma publicidade e promoção constantes. Aqui também é importante a relação – num mesmo produto – entre a marca e a denominação de origem. Sinais com funções diferentes, no entanto, interrelacionados na transmissão de informação distintiva no mercado.

A abertura aos mercados impulsionou o desenvolvimento de produtos com identidade, produtos vinculados ao território. Os símbolos Porto e Douro estão carregados de identidade, informação diferenciadora para o consumidor. Na verdade, a tipicidade ou unicidade dos produtos com denominação de origem tornam a sua substituição por outros produtos mais rara, já que quanto maior a identidade mais difícil a substituição. A escolha do consumidor não assenta fundamentalmente no preço, mas sim no valor acrescentado dos produtos com denominação de origem, em especial dos que gozam de prestígio, como são Porto e Douro. Assim, os produtos com denominação de origem com particular relevância, gozam de uma auréola não concorrencial que será tanto maior quanto maior a ligação geográfico-qualitativa e, em especial, o prestígio sempre associado à qualidade.

Porto só pode provir da Região Demarcada do Douro e só pode ser um tipo de produto: vinho licoroso. Porto só pode significar um produto com características únicas, certificadas pelo IVDP. Porto oferece uma garantia de qualidade ao consumidor.

Porto simboliza um produto com particulares qualidades e características de exclusividade, personalidade e identidade. Um produto com história.